01 agosto 2013

Vamos dormir?

Arcos da Lapa, Evaristo Veiga, Cinelândia. Almoço: quiche de alho poró e uma salada de folhas verdes. Passeio, Glória, Catete, Largo do Machado, água mineral e sonho de valsa. Penso na rotina boa de tempos atrás: acordar, assar pão de queijo, acordar o outro com um beijo. Penso naqueles olhos castanhos - brilham como a luz de outono -, naquela língua, naquela abraço, naquele amor todo, naquela intensidade louca. Sorrio e gargalho sozinho no meio da rua. Crianças correm e velhos jogam dominó. Penso ainda em um tempo mais antigo, que também existia pão de queijo, sorrisos e um afeto enorme, um cuidado absurdo e uma vontade de ficar perto. Praça São Salvador, mexerica importada do supermercado Zona Sul e caminho inverso. Olho as pessoas e penso que qualquer uma daquelas poderia entrar na minha vida naquele momento e mudar tudo. E então criaríamos uma nova rotina, um novo paladar e um novo afeto. A ruiva de calça legging me olhou, fantasio uma vida inteira com ela por alguns segundos. Faço piada de mim mesmo, rio dessa capacidade boba de criar histórias inteiras de amor com pessoas completamente aleatórias. Lembro do último show, do último encontro, da última dança compartilhada na cama, do último sono. Há dias, como o de hoje, que um sono compartilhado basta. “Vamos dormir?”, perguntei a ela em meu pensamento. A resposta foi “sim”.  
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário